domingo, 29 de abril de 2012

Algumas reflexões para aqueles que ainda precisam entender por que o magistério catarinense entrou novamente em greve

Ouça a entrevista do ex-secretario da Educação em SC, Marco Tebaldi, ao jornalista Adelor Lessa no site do Sinte Regional Laguna ou no http://www.youtube.com/watch?v=drtw0fV5hgw e entenda:


Que os discursos mudam dependendo do cargo dos políticos.

Que estes esperam sua saída dos cargos para revelarem informações antes omitidas e compreenda a situação de revolta que sinto como professora (especialista) de carreira em greve ao ouvir isso!

Quando dávamos estas informações na greve anterior não nos ouviam, pois o governo lançava informações que confundiam a população e ainda continua fazendo isso, com uma tabela salarial que destrói nossa carreira.

Mas, quem desmentirá o ex-secretário Tebaldi quando diz que há condições de pagar o piso e relaciona uma série de irregularidades na aplicação dos recursos da educação ... "que os 25% dos recursos destinados a educação entram no caixa geral do estado e são usados para outros fins..."
Quem provará o contrário dentro deste governo?

Isto sem falarmos no fato do estado admitir que gasta 40 MILHÕES DE REAIS a mais com a merenda do que antes da terceirização.

São 120 milhões em três anos... e estes valores continuam aumentando até que se desfaça esta vergonha.

23-Fev-2012
DIÁRIO CATARINENSE
Merenda terceirizada em SC - Justiça anula edital de 2008

Tribunal Regional Federal considerou que o Estado violou princípios da probidade administrativa
O edital de concorrência de 2008 que terceirizou a merenda escolar em Santa Catarina foi anulado, ontem, pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região. O contrato de R$ 120 milhões foi feito quando o senador Paulo Bauer era secretário de Estado da Educação. Ainda cabe recurso da anulação no Supremo Tribunal Federal.

Para o relator, o juiz federal João Pedro Gebran Neto, a Secretaria Estadual de Educação violou os "princípios da moralidade e da probidade administrativa". A decisão foi unânime. A ação popular foi proposta pelo deputado federal Pedro Uczai (PT). Ele questionava a utilização indevida de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar na terceirização da merenda escolar
.

Quem pagará a conta deste absurdo?

Serão responsabilizados o ex-governador e ex-secretário de educação, ambos hoje SENADORES DA REPÜBLICA?

Ou continuarão suas carrreiras políticas como se nada tivesse acontecido, enquanto a nós professores que todos dos dias lutamos para continuarmos desempenhando nossas funções com respeito e dignidade, sobra o descaso?

E como se tudo isso não bastasse, enquanto este governo diz que precisa economizar, gasta mais 800.000 mil reais no aluguel de um espaço para o Show de Paul Maccartney sem licitação. Certamente porque isto deveria ser uma prioridade, porém não sabe-se de quem? Ou para Quem? ( Doc em anexo)


Até quando o abismo criado pelo Governo de SC entre a LEI e a JUSTIÇA numa área tão prioritária quanto a educação será aprofundado?

Quanto tempo mais os deputados estaduais precisarão para na "Casa do POVO" fazer o papel de defesa da população e não do governo?

A GREVE foi suspensa em julho e agora retomada, por conta da quebra dos acordos firmados.

O momento é crucial. A história do magistério e principalmente da educação catarinense cobra de nós uma posição coerente com as nossas lutas históricas.

Lembrem-se: "O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons."Martin Luther King

Uma escola e educação pública de qualidade não se faz sem a valorização dos educadores.

Não podemos nos calar!

O silêncio consente!

A neutralidade age a favor do governo e das injustiças cometidas.

Nossas feridas ainda não cicatrizaram, mas elas são as marca da luta, jamais da omissão!

Profª Pedra Aparecida Souza
Orientadora Educacional

Debate sobre situação do magistério catarinense (24-04-2012) - Programa Litoral Sul Debate

ENTREVISTA DE TEBALDI AO JORNALISTA ADELOR LESSA‏

Entrevista com Marco Tebaldi, ex-secretário da educação do estado de Santa Catarina

Ouça e veja o quanto este governo é sacana com a categoria do magistério catarinense.

sábado, 28 de abril de 2012

Ato Público em defesa do magistério - em Florianópolis

A Regional de Laguna pretende estar presente neste Ato em Florianópolis no próximo dia 03/05. Portanto os interessados em ir, deverão ligar para (9907-5324) registrando seu nome e RG para que possamos deliberar ônibus ou micro para esta ida a Florianópolis.

E ATENÇÃO COMANDO DE GREVE REGIONAL LAGUNA, na quarta feira entre 07: 15 e 07:30, todos no local já pré determinado conforme combinamos no final da tarde de ontem. Eventuais dúvidas, entrem em contato conosco (ou entre si)

Rudmar M. Corrêa - Coordenador Regional Sinte Laguna

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Comando de greve se reúne no SINTESPE

Durante todo o dia 25 de abril, esteve reunido na sede do SINTESPE em Florianópolis o comando de greve do magistério de Santa Catarina. A equipe é formanda pela diretoria executiva do SINTE e por membros das 30 regionais do sindicato que atuam em todo o Estado.

Deliberações do Comando de Greve
Intensificação da construção da greve com visitas as escolas em todas as regionais;
Atos públicos em Florianópolis e Chapecó, no próximo dia 03 de maio.

Informativo Juridico 04-2012 - Greve Magisterio - Corte Ponto - Reposição Aulas - Desligamento Professores Efetivos e ACTs - Esclarecimentos‏

Esclarecimentos à Categoria sobre a Greve do Magistério
(Corte do Ponto, Reposições e Demissões de Professores Efetivos e ACT’s)
Florianópolis, 25 de abril de 2012.
Prezados Companheiros do Magistério,
Diante de uma série de dúvidas advindas do início da paralisação da Categoria do Magistério, sobretudo após a pressão dos aparelhos estatais da área da educação (SED/SC e GERED’s), de que o Governo Estadual estaria disposto a “radicalizar” sua postura de combate ao movimento grevista, cortando o ponto dos trabalhadores paralisados, bem como diante de denúncias concretas de ameaças de desligamento de professores ACT’s ou de não contratação para o próximo ano letivo, com o lançamento de faltas injustificadas, a Assessoria Jurídica do SINTE/SC dirige-se a todos os membros da Categoria do Magistério Estadual, a pedido do Comando de Greve, trazendo relevantes esclarecimentos sobre tais questões, nos termos seguintes:
1. Vale reiterar, na mesma linha do que já foi amplamente divulgado na Paralisação de 2011, que a Greve dos Trabalhadores do Magistério tem proteção constitucional. Trata-se de um movimento justo e constitucionalmente assegurado a todos os trabalhadores públicos e privados, nos termos do art. 9º e do art. 37, VII da Constituição Federal e já foi, inclusive, garantida pelo Supremo Tribunal Federal (Mandado de Injunção n. 708).
2. Vale ressaltar, também, que temos uma greve diferenciada: mais do que buscar melhores condições de trabalho e remuneração, essa greve representa a reivindicação justa e legítima pela aplicação da Lei do Piso Nacional, já declarada constitucional pelo STF (ADI n. 4167). O que se pretende, na verdade, é o cumprimento das promessas do Governo Estadual, ao final da Greve de 2011, no sentido de que passaria a assegurar a aplicação da Lei do Piso Nacional na carreira do Magistério Estadual, sem nova compressão da tabela de vencimentos e sim com a sua descompactação, o que infelizmente não aconteceu.
3. Portanto, como acusar de ilegal uma greve que nada mais pretende do que a observância de uma Lei Federal? Não há nessa greve qualquer excesso ou ilegalidade. Há sim a busca dos legítimos direitos da categoria do magistério.
4. E mais: a Assessoria Jurídica do SINTE/SC afirma que todos os trâmites e procedimentos necessários para a regular deflagração da greve foram integralmente observados! Houve, inclusive, prévia notificação do Excelentíssimo Senhor Governador do Estado e do Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado da Educação, como manda a lei. A greve é, portanto, legal e legítima!
5. Nesse sentido, qualquer ameaça de corte de ponto dos trabalhadores grevistas, bem como a sua efetiva implantação, representa clara e inegável ofensa ao direito de greve, com direta ofensa à Constituição Federal.
6. Ademais, como historicamente vivenciado nas anteriores paralisações do magistério estadual, ao final da Greve é negociado o abono das faltas e a efetiva reposição das aulas, sem prejuízo ao calendário letivo, o que ocorreu inclusive na Greve de 2011. Portanto, a ameaça de corte de ponto pela SED/SC e GERED’s, no presente momento, é totalmente arbitrária, despótica e ofensiva ao direito de greve dos trabalhadores da educação.
7. Cabe, ainda, reiterar (a exemplo do que foi esclarecido na Greve de 2011) que ninguém poderá ser demitido (Trabalhador efetivo/estável) ou dispensado (Professor ACT), por conta de “faltas de greve”.
8. A “falta de greve” não é uma falta comum (injustificada). Não caracteriza, portanto, “abandono de cargo” para fins de demissão. Segundo vários precedentes judiciais, o abandono de cargo, para fins de demissão, exige a comprovação de que o servidor teve a intenção de abandonar o serviço público (anumus abandonandi). Segue, apenas para exemplificar, a decisão do Superior Tribunal de Justiça:
ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. DEMISSÃO POR ABANDONO DE CARGO. ANIMUS ESPECÍFICO NÃO DEMONSTRADO. ARTS. 132, INC. II, E 138 DA LEI 8.112/90. PEDIDOS DE LICENÇA POR MOTIVO DE AFASTAMENTO DO CÔNJUGE E DE RECONSIDERAÇÃO DO ATO QUE NEGARA CESSÃO PENDENTES DE APRECIAÇÃO NO ÂMBITO ADMINISTRATIVO. SEGURANÇA CONCEDIDA.
1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça mostra-se pacífica quanto à necessidade de que a Administração demonstre a intenção, a vontade, a disposição, o animus específico do servidor público, tendente a abandonar o cargo que ocupa, para que lhe seja aplicada a pena de demissão. (MS n. 10150/DF, Relator Min. ARNALDO ESTEVES DE LIMA, TERCEIRA TURMA, julgado em 23/11/2005, DJE 06/03/2006) (grifou-se)
9. Portanto, não se pode aceitar que as “faltas de greve”, não havendo negociação ao final para reposição das aulas, sejam consideradas para fins de demissão (Trabalhador efetivo/estável) ou dispensa (Professor ACT), por abandono de cargo ou função. O disposto no art. 167, II e § 1° da Lei Estadual n. 6.844/86 (30 dias consecutivos ou 60 dias intercalados de faltas injustificadas) e no art. 13, V da Lei Complementar n. 456/09 (03 dias consecutivos ou 05 intercalados de faltas injustificadas) não podem ser aplicados para os casos de “faltas de greve”.
10. Inclusive no caso de Contrato Temporário de Professor ACT, dispensado por conta de fim de contrato durante a greve, não sendo caso de retorno do Professor Titular para a disciplina, poderá ser buscada a sua regular renovação, via “procedimentos internos” nas Escolas e nas GERED, já que essa era a prática antes da paralisação, comprovando-se que o contrato somente não foi renovado por conta da greve, o que seria ilegal. Da mesma, não se tem qualquer notícia de professores ACT’s que tenham sofrido restrições na contratação em 2012, por conta de faltas de greve em 2011.
Com esses esclarecimentos, a Assessoria Jurídica do SINTE/SC assegura a legalidade e legitimidade da greve, sendo que os prejuízos porventura sofridos pela categoria, coletiva ou individualmente, deverão ser objeto de futuras análises. Reiteramos que a aplicação da Lei do Piso Nacional reflete a justa e legítima pretensão da categoria, que não pode sucumbir a pressões casuísticas e totalmente ilegais e inconstitucionais do Governo.
Reiterando os votos de elevada consideração a toda a Categoria do Magistério Público Estadual, colocamo-nos à disposição para quaisquer outros esclarecimentos e encaminhamentos.

JOSÉ SÉRGIO DA SILVA CRISTÓVAM

CRISTÓVAM & PALMEIRA ADVOGADOS ASSOCIADOS
ASSESSORIA JURÍDICA DO SINTE/SC

MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA

CRISTÓVAM & PALMEIRA ADVOGADOS ASSOCIADOS
ASSESSORIA JURÍDICA DO SINTE/SC

quarta-feira, 25 de abril de 2012

ESCOLA DE LAGUNA PEDE SOCORRO‏

Professores, nossa luta não é apenas salarial. Lutamos por melhores condições de trabalho e acima de tudo, respeito e dignidade. São várias escolas no estado e principalmente em nossa Regional com problemas sérios, muito graves e sem as mínimas condições de estarem em funcionamento. Recebemos uma denúncia que a EEB Ana Gondin teve um princípio de incêndio na sexta feira passada (20/04), graças a Deus, poucas pessoas estavam na escola e com muita rapidez os bombeiros foram chamados e de imediato apagaram o início de incêndio, e de imediato desligaram toda rede elétrica (até a data de hoje 23/04 tudo desligado), informando que se as labaredas atingissem o emaranhado de fios, a Guarnição do Corpo de Bombeiros não teria tempo de salvar a escola. Agora queremos saber, como uma escola nestas condições está funcionamento, onde estão os alvarás: sanitários e dos bombeiros? Vamos solicitar.
Muitas promessas foram feitas para esta comunidade escolar: "Vamos construir uma nova escola, vamos trazer uma escola técnica para este local", estas foram algumas das promessas que até momento vamos citar, confesso que foram interessantes mas até o momento, só promessas, nada mais que promessas.

Uma pergunta que não quer calar: De quem será as responsabilidades se algo de mais grave vier acontecer nesta Unidade Escolar?

- Do governo Estadual?
- Secretário da 19ª SDR?
- Gerência Regional de Educação?
- Direção Escolar?

Esta não é a primeira e nem vai ser a últimas escola que apresentamos, mostrando todo o descaso e despreocupação deste governo com a Educação Catarinense.

Com a palavra os gestores (responsáveis) e o governo de Estado por todos estes descasos.

Rudmar M. Corrêa - Coordenador Regional Sinte Laguna



Confira algumas fotos









Conversas Cruzadas TVcom - Greve dos Professores


(1) Conversas Cruzadas: Greve dos professores

(2) Conversas Cruzadas: Greve dos professores

(3) Conversas Cruzadas: Greve dos professores 


(4) Conversas Cruzadas: Greve dos professores

(5) Conversas Cruzadas: Greve dos professores 

terça-feira, 24 de abril de 2012

Os estudantes da Serra Catarinense fizeram uma manifestação em frente a GERED de Lages

Manifestação de Alunos na Serra- Lages SC Greve 2012 Em frente a GERED 
 

Estudantes protestam e batem boca com gerente de educação em Lages, na Serra Vani Boza/Agencia RBS
Greve dos professores da rede estadual de ensino começou tumultuada em Lages Foto: Vani Boza / Agencia RBS
Pablo Gomes
A greve dos professores da rede estadual de ensino começou tumultuada em Lages, na Serra Catarinense. Nesta segunda-feira, o silêncio das escolas sem aulas para a realização do conselho de classe contrastou com um barulhento protesto de estudantes nos gabinetes do governo.

Munidos de cartazes com críticas ao governo e clamores por educação de qualidade, cerca de 20 jovens alunos da escola Belisário Ramos, no Bairro São Cristóvão, protestaram na Gerência Regional de Educação (Gered). A manifestação começou às 14h em frente ao prédio, avançou para o pátio e, poucos minutos depois, os estudantes entraram no local e, aos gritos, marcharam pelos corredores até a sala da chefe do órgão, Fátima Ogliari.

Os alunos exigiam uma solução definitiva para o impasse entre governo e professores a fim de evitar mais problemas com a nova greve, mas Fátima explicou que a negociação é feita diretamente pela Secretaria de Estado da Educação, em Florianópolis.

Não convencidos e muito menos satisfeitos, os estudantes pressionaram Fátima a resolver também problemas de estrutura na escola em que estudam e garantir mais qualidade ao ensino que recebem, pois alguns professores não estariam habilitados para as disciplinas que lecionam. Depois de aproximadamente meia hora de bate boca, a gerente regional de Educação se negou a continuar a discussão, voltou para o seu gabinete e os alunos desocuparam o prédio.

— Entendemos a posição dos professores, mas precisamos ter aulas, pois não queremos mais ser prejudicados —, disse Júlia Zimmermann, de 13 anos, aluna do sétimo ano do ensino fundamental e uma das idealizadoras da manifestação.

— A qualidade do ensino precisa melhorar, pois temos aulas com professores que não são habilitados. Também queremos melhorias na nossa escola, pois o prédio está em más condições —, reclamou Alisson Rodrigues, de 14 anos, aluno do primeiro ano do ensino médio.

Nenhuma das 46 escolas estaduais dos 12 municípios de abrangência da Gerência Regional de Educação (Gered) de Lages teve aulas na segunda e muitas não terão também nesta terça. O motivo não é a greve, mas o conselho de classe, onde os professores fecham as notas dos alunos.

Segundo a Gered, dos 1,6 mil professores da região, apenas 16 (1% do total), de duas escolas de Lages — Belisário Ramos, no Bairro São Cristóvão, e Nossa Senhora do Rosário, no Bairro Coral — aderiram à greve já nesta segunda-feira e nem participaram do conselho de classe.

O sindicato da categoria (Sinte) não confirmou o número, mas admitiu não ter a informação precisa e disse que o movimento grevista será construído aos poucos. Uma assembleia regional ocorrerá na manhã desta terça-feira, em Lages, para definir as estratégias de mobilização na Serra.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

GOVERNO PROMETE E NÃO CUMPRE

Seguindo o que foi determinado pela Assembleia Regional do Magistério Publico Estadual da Região de Laguna, segue em anexo PROPOSTA DO GOVERNO AO MAGISTÉRIO CATARINENSE, datada de 15 de junho de 2011, e Assinada pelos Sr. Marco Tebaldi (Secretário de Educação na época) Eduardo Dechamps (Atual Secretário de Educação) e pelo Sr. Governador de Estado Raimundo Colombo, tire suas conclusões e mostre ao povo Catarinense quem na verdade é o MENTIROSO.





SINDALESC APOIA PROFESSORES E CRITICA O GOVERNO


23 de abril de 2012

O Sindicato os Serviores da Assembleia Legislativa lançou nota oficial solidarizando-se com os professores estaduais em greve e criticando o governo estadual. Confira o texto, na integra:
"O Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (SINDALESC) vem a Público se solidarizar com a luta e a greve dos profissionais na área da educação.
Os professores, pais e alunos em Santa Catarina sofrem há muito tempo pela falta de prioridade dos governos que se elegem, prometendo resolver o problema da educação no Estado e nada fazem.
Em relação a nota dos 30 deputados da base governista, o Sindalesc considera um acinte aos professores, ao próprio Parlamento e à sociedade catarinense.
Sobre o mérito da nota, precisamos esclarecer que o papel de um governo é empreender esforços para garantir a qualidade na educação e nas diversas áreas que atua, e o papel do Parlamento é elaborar, fiscalizar e garantir que o Executivo cumpra as Leis estabelecidas, nesse caso, nada mais justo que a Lei do Piso seja cumprida e que tenha a anuência do Parlamento catarinense.
Os deputados mostram incongruências com o cargo em que atuam abdicando de seu papel de fiscalizador e criador de leis em favor da maioria, para ocupar correia de transmissão do governo.
Os parlamentares se enganam ao afirmar que o esforço para buscar o cumprimento da lei é mérito do governo, o que na verdade é direito da categoria a partir das incansáveis lutas contra o descaso com a educação.
Consideramos que existe uma nítida falta de informações pelos deputados governistas, caso contrário, resta-nos acreditar na tentativa de manipulação da informação, com o objetivo de tirar do foco a incoerência do governo trazendo para o debate questões e realidades distantes do assunto em pauta, para criar um ambiente fantasioso de disputas partidárias ou entre governos, sendo que, o que está em questão é simplesmente a falta de planejamento do Estado para garantir o piso salarial dos professores previsto em lei.
O Governador de Santa Catarina, ao invés de tratar o Parlamento catarinense como extensão do seu mandato e desestimular a autonomia sindical e dos movimentos reivindicatórios, poderia cuidar melhor das finanças e das prioridades que beneficiam o conjunto da população.
Por fim, salientamos a necessidade de restituição dos papéis das entidades Republicanas e solicitamos que o Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, em esforço coletivo, façam valer o cumprimento das Leis e garantam o diálogo e as negociações com as entidades de classe, preservando as noções elementares de um Estado democrático e de direito.

A Diretoria."


Postado por Moacir Pereira, às 19:00

sábado, 21 de abril de 2012

NA GRANDE REFORMA DO GOVERNO QUEM SAI PERDENDO É O CIDADÃO CATARINENSE

Por Jean Hermógenes Saibro

O governo considera falta de bom senso a grave dos professores. Falta de bom senso é o desrespeito do executivo aos profissionais da educação e ao cidadão catarinense. O Secretário de Educação, em sua posse, afirmou que iria fazer uma “grande reforma na educação”. Essa tal reforma não respingou em nada na valorização da categoria.


Basta analisar, conforme divulgado pela imprensa, a situação de um professor com doutorado, por exemplo, que ganha um subsalário de R$ 1.998,65 e passará a perceber R$2.539,02 somente em dezembro de 2013. A base aliada do governo na Alesc não vai mediar conversação entre o governo e os professores, dando prova de que o Poder Legislativo está na contramão dos princípios constitucionais da República e do Estado de Direito.

A Assembleia Legislativa, ao invés de promover o diálogo entre os professores, o governo e sociedade, partidariza suas ações, submete o Poder Legislativo aos interesses do executivo, considera positiva as ações do governo e joga culpa ao governo federal face mudanças que irão ocorrer nas regras do ICMS. O regime de exceção passou mas os resquícios ainda continuam.

http://cangarubim.blogspot.com.br/

sexta-feira, 20 de abril de 2012

LAGUNA: MANDA QUEM PODE, OBEDECE QUEM TEM JUIZO E NÃO QUER PERDER A BOQUINHA. CABIDAÇO PARTE 2.

Boa tarde Lagunenses e Lagunistas


Recebo a informação que o CABIDAÇO na SDR de Laguna começa a ser desfeito por ORDEM do Jurídico da Secretaria de Educação.


Entenda o caso. O SINTE - LAGUNA fez uma denúncia junto a Secretaria de Educação que várias pessoas que tinham cargos lotados em escolas, PROFESSORES, SUPERVISORES, ORIENTADORES, ASSISTENTE TÉCNICOS PEDAGÓGICOS, inclusive algúns servidores que estavam em LICENÇA READAPTAÇÃO, eram "convidados" pelo Secretário Regional e pelo Gerente de Educação para "trabalharem" na SRD, porém tinham seus processos NEGADOS, ou seja, não tinham PORTARIAS lhes dando posse em novo local de trabalho, mas mesmo assim continuavam na SDR, ou seja, sem fazer nada, inclusive desfalcando as escolas.


Ao tomar conhecimento das denúncias o Secretário de Educação, Eduardo Deschamps, juntamente com o Jurídico da Secretária de Educação na pessoa da Dr@ Elma, INTIMARAM, o Secretario Regional CHRISTIANO LOPES DE OLIVEIRA-PSD e o Gerente de Educação SANDRO MATIAS DA CUNHA- PSDB para darem explicações sobre as denúncias.


Após todo o blá blá blá e a falta de explicação do Secretário Regional e do Gerente de Educação, o JURÍDICO da Secretaria de Educação, MANDOU TODOS os servidores que estão em situação irregular voltarem a seu posto original de trabalho apartir de hoje, 20/04, sob pena de punição dos servidores. Segundo informações, tanto o Secretário quanto o Gerente de Educação, estão na "mira" do Secretário de Educação que por sua vez, por conta deste incidente, deixou o Governador nada satisfeito.


Parece que a denúncia do SINTE - LAGUNA surtiu efeito e o desmando na SDR Laguna está sendo acompanhada de perto. Quem não deve estar nada contente são os padrinhos políticos de quem fez a lambança toda.


Continuaremos de olho.


http://criticalaguna.blogspot.com.br/2012/04/laguna-manda-quem-pode-obedece-quem-tem.html

FORTE ABRAÇO


CRITICA LAGUNA

quinta-feira, 19 de abril de 2012

NOVO LOCAL PARA REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA REGIONAL DE LAGUNA

ATENÇÃO PROFESSORES DA REGIONAL LAGUNA, EM VIRTUDE DA INDISPONIBILIDADE do Centro Cultural Santo Antonio dos Anjos, nossa ASSEMBLEIA REGIONAL SERÁ REALIZADA NO CLUBE CONGRESSO LAGUNENSE (mesma praça), ao lado do Banco do Brasil de Laguna, na mesma HORA E DATA.

--------------------------------------------------------------------------------


ASSEMBLEIA REGIONAL EM LAGUNA

DIA: 23 DE ABRIL DE 2012

HORA: 14:00 HORAS

LOCAL: CLUBE CONGRESSO LAGUNENSE

Fotos e vídeos da Assembleia Estadual

Em Breve!

Sinte Regional Laguna visita a E.I.E.F. TEKOÁ MARANGATU

Hoje 19 de Abril, dia do Índio, Parabenizamos todas as Nações Indígenas deste imenso Brasil, em especial a de nossa Regional TEKOÁ MARANGATU em Imaruí.

Sargento Soares comenta greve do magistério e CPI da segurança pública


A deflagração da greve do magistério catarinense foi tema de pronunciamento do deputado Sargento Amauri Soares durante a manhã de quinta-feira, 19 de abril. Segundo ele, a greve na Educação é "absolutamente legítima. "Os professores estão com a razão, a greve deles é legítima e legal, e quem diz o contrário está desvirtuando a verdade e tergiversando sobre fatos incontestáveis", afirmou.
http://www.youtube.com/watch?v=Le9vjYmcnf4&feature=youtu.be

quarta-feira, 18 de abril de 2012

RECEBI ESTE EMAIL, PEDI AUTORIZAÇÃO E ESTOU PUBLICANDO (resguardando a Professora)

Boa noite!
Cheguei de Floripa.
Noite mal dormida, depois da apresentação dessa vergonha e, agora, meu desabafo e "minha análise de conjuntura", já postada no Face:

E A GREVE?

Fui a Florianópolis.
Eu não queria greve.
No ônibus, a caminho, conversamos.
Quando falei, alguns não gostaram, mas enfim, respeitaram meu pensamento.
Chegando a Florianópolis, vendo o Centro Sul lotado, indignação, desânimo e uma proposta INDECENTE em mãos, sem qualquer perspectiva melhor, ninguém conseguiu encontrar outra ideia a não ser dizer NÃO e voltar para casa, no compromisso de montar uma greve.
Como?
Não sei!
A greve começará a partir de segunda-feira.
Temos esses três dias para avisar aos alunos, convocar pais, conversar, organizar representantes das escolas e, na segunda, ir às Assembleias Regionais.
Os professores não aceitaram ser tratados como recém-saídos do Ensino Médio!
Esqueceram que somos GRADUADOS e PÓS-GRADUADOS.
ESTE SEM-VERGONHA do COLOMBO nem graduado é! LARGOU A PEDAGOGIA PORQUE VIU ONDE ESTAVA PISANDO E EM QUEM PISARIA MAIS TARDE!
Lamentável!
É lamentável ver seus estudos indo por água abaixo...
Repito: Colombo rasgou, pisoteou e cuspiu em cima de nossos diplomas.
Para ele e o Secretário da (Des)Educação, Deschamps - ex-reitor em Blumenau! -, nossa formação continuada NÃO VALE NADA!
(Haja vista o movimento de FÊNIX do Magistério, que vem ressurgindo das cinzas para SUBSTITUIR os EX-FUTUROS-ACADÊMICOS de Pedagogia. Fato já discutido, inclusive, no Auditório da Unesc e que não pude, INFELIZMENTE, estar presente no dia!!)
Foi tenso, era unânime e visível o descontentamento da categoria, amargada pelo sentimento de impotência perante a mídia e diante da sociedade que, mais uma vez, terá de ficar ao lado dos profissionais da educação, caso contrário, que fiquem os mais fortes ou aqueles que TRABALHARÃO POR AMOR!
Seria uma incoerência aceitarmos aquela palhaçada que chegou às nossas mãos. Uma vergonha! Agora, é juntar os cacos, além da força, claro, e construir uma nova greve!
Parodiando um outro eufemismo usado na assembleia hoje, não há como não descarregar um rol de ofensas... mas sou professora, portanto, farei isso com classe: GOVERNADOR COLOMBO E DEMAIS ASPONES - ASSESSORES DE P**** NENHUMA: "Sugiro veementemente a Vossas Excelentíssimas que procurem receber contribuições inusitadas em suas cavidades retais".
E desculpem-me aqueles que acham que ainda fui muito severa com o Governador e, assim como ele, ESTÃO DECEPCIONADOS COMIGO também!

Professora ......

Não somos palhaços!
Estamos doentes!
Estamos HUMILHADOS!
Vai começar TUDO OUTRA VEZ???
Se não adiantar nada, acho que o governo terá o que quer: menos professores habilitados e pós-graduados, pois já começo a amadurecer a ideia de largar o magistério, o que já é esperado há muito tempo em minha casa!

23/04-SEGUNDA FEIRA = ASSEMBLEIA REGIONAL EM LAGUNA

ASSEMBLEIA REGIONAL EM LAGUNA

DIA: 23 DE ABRIL DE 2012 - SEGUNDA FEIRA

HORA: 14:00 HORAS

LOCAL: CENTRO CULTURAL SANTO ANTONIO DOS ANJOS



Professores, é fundamental a participação de todos na mobilização de 23/04 EM NOSSA ASSEMBLEIA REGIONAL. A GEVE JÁ ESTÁ DEFLAGRADA, agora temos que organizar e Deliberar sobre nosso COMANDO DE GREVE REGIONAL E ESTADUAL, bem como planejar nossas ações nas escolas e comunidade. Vamos reivindicar o que de direiro é nosso. Fixe cartazes da Assembleia REGIONAL em sua escola, em Garopaba ligue para o Prof. Passinho e Gislane, de seu NOME E RG, em Imaruí e Escola Indígena, podem lotar ônibus, topic ou carro próprio que o Sinte verá a forma de reembolso. Organizem seus professores e venham, E JUNTOS VAMOS CONSTRUIR NOVAMENTE A MAIOR GREVE do MAGISTÉRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA.


Lembramos que é um momento delicado, e que a participação de cada um de vocês é fundamental.

att

Rudmar M. Corrêa - Coordenação Regional Sinte Laguna

DESABAFO DE UMA PROFESSORA NO BLOG DE MOACIR PEREIRA

Educação: a carreira e qualidade
17 de abril de 2012

0
"Caro Jornalista Moacir Pereira,

Quem lhe escreve novamente é a professora Josy da região de Blumenau. Graduada em Letras – Português/ Inglês pela FURB e pós-graduada em Orientação, Supervisão e Gestão Escolar pelo ICPG.
Atuo 40h no Estado e 20h no município de Indaial.
Atualmente estou de licença-prêmio no Estado, acompanhando nos bastidores todo esse processo, a propósito, tenho 12 anos completos no magistério, muitos deles trabalhados para o Estado em regime de 60h, 40 como efetiva e 20 como ACT, estou gozando minha licença-prêmio apenas porque outros professores mais antigos não optaram por gozar o benefício, caso contrário estaria com minhas licenças se acumulando.
Em maio volto à sala de aula para dar continuidade a um trabalho iniciado por uma profissional que está estudando história, a saber, minhas turmas são quase todas de ensino médio. Não houve profissional disponível na área de Letras (habilitado ou um graduando) para assumir minhas aulas durante minha ausência. Sei que quando voltar, terei que correr atrás de tudo e colocar a casa em ordem e com certeza farei o que for possível a fim de que meus alunos não saiam prejudicados.
Agora questiono: “Estão a SED e a GERED preocupados em saber se as coisas estão funcionando com um professor não habilitado de outra área lecionando Português para alunos do Ensino Médio? Sabe a sociedade catarinense que muitos outros alunos se encontram em situações semelhantes ou até mesmo mais delicadas? Questionam os pais e a sociedade se a Educação Pública tem sido de fato de “QUALIDADE”?
NÃO! Vejo penas um monossílabo como resposta!
Infelizmente a tal da “QUALIDADE” é lembrada e questionada quando professores vão às ruas reclamar seus direitos, paralisando suas atividades. Então é nesse momento que temos muitos “COVARDES”, que não têm coragem de dar o nome, reclamando que estamos “VADIANDO”! Outros nos chamando de “CHORÕES”, alguns pedindo ao Governo que nos exonerem e por aí vai.
O que é engraçado mesmo Moacir é não ver nenhum desses “anônimos” escreverem a você artigos bem fundamentados sobre a situação do magistério, ou até mesmo sobre a fara dos salários dos deputados pelo Brasil, ou sobre qualquer outro assunto político que fere de fato a Sociedade Catarinense.
Na verdade Moacir, não quero também nesse momento dar importância, que não merecem, a esses anônimos. Quero na verdade expor o que vejo nas tabelas apresentadas pelo governo. E quero fazer isso a você, e pedir também que faça uma análise profunda sobre os dados a fim de que se veiculem na mídia informações concretas, exatas sobre a situação da carreira do magistério público catarinense.
Gostaria que você fizesse levantamento de informações relevantes e que você publicasse algo partindo do seu ponto de vista, mas com entendimento da situação.
As nossas tabelas estão tão bagunçadas que antes quem entendia um pouco agora, não entende nada.
Finalizamos uma greve em 2011 com um acordo assinada pelo nosso Governador. Voltamos à sala de aula com uma carreira tratorada, erguemos a cabeça, demos um voto de confiança ao governo, acreditamos no grupo de estudos, mais uma vez soubemos esperar, mesmo sabendo que de imediato estaríamos perdendo direitos construídos ao longo muitos anos.
Saímos de uma greve com a seguinte tabela:

NÍVEL R E F E R Ê N C I A S

A B C D E F G
1 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.187,00
2 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.187,00 1.197,00 1.197,00 1.197,00
3 1.197,00 1.221,00 1.221,00 1.221,00 1.244,00 1.244,00 1.244,00
4 1.221,00 1.244,00 1.244,00 1.244,00 1.244,00 1.244,00 1.275,10
5 1.244,00 1.244,00 1.244,00 1.275,10 1.306,98 1.339,65 1.373,14
6 1.275,10 1.306,98 1.339,65 1.373,14 1.407,47 1.442,66 1.478,73
7 1.380,00 1.414,50 1.449,86 1.486,11 1.523,26 1.561,34 1.600,38
8 1.486,11 1.523,26 1.561,34 1.600,38 1.640,39 1.681,40 1.723,43
9 1.600,38 1.640,39 1.681,40 1.723,43 1.766,52 1.810,68 1.855,95
10 1.723,43 1.766,52 1.810,68 1.855,95 1.902,35 1.949,90 1.998,65
11 1.855,95 1.902,35 1.949,90 1.998,65 2.048,62 2.099,83 2.152,33
12 1.998,65 2.048,62 2.099,83 2.152,33 2.206,14 2.261,29 2.317,82

Uma carreira completamente acabada, destruída. Mas havia a promessa da recomposição.
Apesar de uma carreira destroçada, ainda percebemos na tabela de 2011 havia uma certa UNIFORMIDADE nas progressões. Claro que nos níveis iniciais isso não se evidencia. Observamos a partir do nível 5C avanço horizontal de 2,5% a todos.

NÍVEL R E F E R Ê N C I A S

A B C D E F G
1 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.451,00
2 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.451,00 1.462,97 1.462,97 1.462,97
3 1.462,97 1.492,30 1.492,30 1.492,30 1.520,41 1.520,41 1.520,41
4 1.492,30 1.520,41 1.520,41 1.520,41 1.520,41 1.520,41 1.558,42
5 1.520,41 1.520,41 1.520,41 1.558,42 1.597,39 1.637,32 1.678,25
6 1.558,40 1.597,39 1.637,32 1.678,25 1.720,20 1.763,21 1.807,30
7 1.686,63 1.728,80 1.772,01 1.816,32 1861,72 1908,26 1955,98
8 1.816,32 1.861,72 1.908,26 1.955,98 2.004,88 2.055,00 2.106,37
9 1.955,98 2.004,88 2.055,00 2.106,37 2.159,04 2.213,01 2.268,34
10 2.106,37 2.159,04 2.213,01 2.268,34 2.325,05 2.386,16 2.442,75
11 2.268,34 2.325,05 2.383,16 2.442,75 2.503,82 2.566,41 2.630,57
12 2.442,75 2.503,82 2.566,41 2.630,57 2.696,34 2.763,37 2.832,83

A tabela acima deveria dar origem à tabela abaixo com correção do valor do FUNDEB, que em 2012 foi de 22,22%. Índice que também foi acordado pelo nosso Governador que seria aplicado em 2012. “O documento tem sua assinatura”.
Após dias e dias de estudo, pelo tal grupo, o magistério estava certo de que teria o índice de correção aplicado
juntamente com uma carreira reorganizada. Com critérios claros e definidos juntamente com a categoria.

Eis então que para frustar a todos, surge uma nova tabela que, se bem analisada, não comtempla a todos de maneira igualitária. Causa perdas para muitos profissionais que já estão há anos no magistério e não aplica na carreira os 22,22% da correção determinada por lei federal.

R E F E R Ê N C I A S

A B C D E F G H I J
1 1.450,87 1.458,93 1.466,99 1.475,05 1.483,11 1.491,17 1.499,23 1.507,29 1.515,35 1.523,41

2 1.523,41 1.531,59 1.539,78 1.547,96 1.556,14 1.564,32 1.572,50 1.580,68 1.588,86 1.597,05

3 1.886,13 1.918,37 1.950,61 1.982,86 2.015,10 2.047,34 2.079,58 2.111,82 2.144,05 2.176,31

4 2.176,31 2.200,49 2.222,67 2.248,85 2.273,03 2.297,21 2.321,39 2.345,57 2.369,75 2.393,94

5 2.393,94 2.410,06 2.426,18 2.442,30 2.458,42 2.474,54 2.490,66 2.506,78 2.522,90 2.539,02

6 2.539,02 2.555,14 2.571,26 2.587,38 2.503,51 2.619,63 2.635,75 2.651,87 2.667,99 2.684,11

As cores aplicadas (nota: estão no original, mas não aparecem no blog) têm o objetivo de correlacionar os níveis entre as duas tabelas, haja vista a mudança que a mesma sofreu. Todos os valores sublinhados mostram redução, perda para o magistério, pois não há a correção dos 22,22%. Vejamos um profissional Doutor em final de carreira: com a aplicação do índice de 2012 o mesmo poderia chegar a R$ 2.832,83. Já no novo plano o valor é 5,58% inferior. Mesmo o Governo afirmando que há uma revitalização, incluindo 3 novas progressões.
Sua tática não passa de uma intrujice!
De todas as referências apresentadas, menos da metade é contemplada de fato. Tal qual aconteceu em 2011. Vejo que o governo utilizou-se de uma estratégia para enganar mais uma vez a todos e resolver nossa situação da mesma maneira que fez em 2011, impondo uma nova carreira.
Já no que se refere aos avanços horizontais, como pode professores de uma mesma rede, cumprindo as mesmas exigências avançarem de forma distinta se pertencem ao mesmo plano de cargos e salários?
Um professor 3A (graduado) após 3 anos de exercício, com 80 horas de curso, avança para 3B com um percentual de 1,7%. Já um professor especialista 4A obtém em seu progresso 1,11%, contra um Mestre 5A, que avança apenas ,0673% e um Doutor 6A que ao chegar em B soma ao seu vencimento 0,634%.
Sabe o governo que tal prática desestimula, afirma tal ideia ao justificar a criação do Projeto de Revitalização do Magistério afirmando que: “Compressão da tabela leva a desestímulo professores com níveis de titulação superiores, especialmente aos professores com graduação e pós-graduação em nível de especialização”, mas mesmo assim mantém a prática?
Nossa angústia e anseio é que alguém consiga, creio eu, desenhar nossos problemas, pois a sociedade nunca irá entender tanta informação, também não creio muito se querem mesmo entender.
O que não dá é para ficar calado e aceitar mais uma vez a mesma prática. Em 2013, 2014 estaremos sujeitos à mesma situação.
E por fim, algo que ainda precisa ser exposto refere-se aos números do FUNDEB.
Em 2011 SC arrecadou: 1.669.216.296,69
Em 2012 arrecadou até o momento: 450.265.297,45

Fonte: http://receitas.fecam.org.br/estado/FUNDEB/analises/analise/anual

Nosso secretário alegou em matéria publicada ontem que: O Secretário anunciou que:O impacto na folha de pagamento será de R$ 600 milhões. “Estamos passando de uma folha que no ano passado, era projetada para R$ 1,4 bilhão, para uma que vai chegar a R$ 2,1 bilhões esse ano”, explicou Deschamps.

Sabemos que 60% do valor do FUNDEB é destinado a pagamento de professores. Em 2011 somou-se uma quantia considerável perto do 1,4 bilhão projetado em salário. Sabemos que ainda existe a receita do Estado, como sabemos também que o Estado ainda paga inativos com recursos indevidos.
Teremos que continuar pagando a conta devido a uma má gestão? Até quando?
Até quando seremos chamados de vadios e de chorões por pessoas que se quer buscam saber dos números?

Ajude-nos, de alguma forma, a mostrar um pouco da verdade."

fonte:blog Moacir Pereira

terça-feira, 17 de abril de 2012

A LUTA NUNCA ACABOU

Professores de nossa Regional e demais, a proposta do governo NÃO foi aceita em sua apresentação na Assembleia Estadual realizada hoje (17/04) em Florianópolis.
O número de Professores Presentes não obteve a mesma representatividade de outras Assembleias realizadas nos últimos tempos (3-4 mil), mas foi amplamente discutida, debatida e analisada a proposta do governo.
Após quase 3 horas de muita discussão em apresentação do PLANO DESTRUIDOR DA CATEGORIA DO MAGISTÉRIO pelo governo de Estado em seu quesito TABELA SALARIAL, foi deliberado pela grande maioria dos Professores lá presentes pela GREVE GERAL, greve essa que em nosso entendimento é fundamental para que possamos alcançar um maior reconhecimento como Classe Formadora de opiniões, ou não?
Sabemos das dificuldades do momento, cansaço da greve passada, desmotivação por falta de reconhecimento, enfim, uma categoria visivelmente doente, mas temos que usar deste estado momentâneo, de alicerce, trampolim para LUTAR E BUSCAR O QUE DE DIREITO É NOSSO: O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO E O ACORDO FIRMADO ENTRE CATEGORIA E GOVERNO no ano passado para findar aquela greve (2011).
Por isso, SOLICITAMOS a todos Professores de nossa Regional e das demais, um EMPENHO ABSOLUTO em fazer deste movimento (greve) atual, um movimento forte, mais forte que os anteriores e deixando bem claro que este governo não acredita em nosso PODER DE MOBILIZAÇÃO, em NOSSA FORÇA.
Se você ainda não aderiu, pense reflita, sente-se com os demais e debata o que você quer para um futuro não muito longínquo.
PORTANTO É FUNDAMENTAL, BUSCAR O ENTENDIMENTO DO QUE ESTE GOVERNO LHE OFERECE.
SAUDAÇÕES, E A LUTA DEVE CONTINUAR, POR QUE A NOSSA LUTA NUNCA ACABOU, E UNIDOS SOMOS MAIS FORTES!



Rudmar M. Corrêa - Coordenador Regional Sinte Laguna

GOVERNO APRESENTA PROPOSTA DE NOVA TABELA SALARIAL NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO DE FORMA ALEATÓRIA E ERRÔNEA

A tabela proposta pelo Governo nas letras I e J nos nível 4, 5 e 6, mostra claramente que professores com mais tempo de serviço vão ganha menos. Ficou evidente que a tabela foi elaborada de forma aleatória e com um único objetivo, enganar a categoria. Essa é a artimanha do Governo.
 

PROPOSTA REJEITADA!

domingo, 15 de abril de 2012

CONVOCAÇÃO PARA A GRANDE ASSEMBLEIA DE 17/04 - HOJE NA GLOBO

O SINTE-SC CONVOCA TODOS OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DA EDUCAÇÃO DO ESTADO, PARA A ASSEMBLEIA ESTADUAL, QUE ACONTECERÁ DIA 17 DE ABRIL, ÀS 14 HORAS, NO CENTRO SUL, EM FLORIANÓPOLIS.
 
SE O GOVERNO NÃO ATENDER O PLEITO DA CATEGORIA, O INDICATIVO É GREVE!!
FAÇA PARTE DESSE MOVIMENTO PELA EDUCAÇÃO.  PARTICIPE!!


ASSISTAM A CONVOCAÇÃO NESTE DOMINGO, NO INTERVALO DO FANTÁSTICO.

video

sábado, 14 de abril de 2012

PROPOSTAS DISCUTIDAS DURANTE A SEMANA ENTRE SINTE/SC e GOVERNO DE ESTADO

SINTE/SC veiculará inserção na TV chamando para Assembleia Estadual

Na noite de domingo, dia 15/04/2012, será veiculado, durante o intervalo do programa Fantástico da Rede Globo, uma inserção do SINTE/SC convocando para a Assembleia Estadual do dia 17/04/2012.



AUDIÊNCIA COM O GOVERNO

No dia 09 de abril segunda-feira, ocorreu a 2ª audiência com o Governo onde nos foi comunicado que haveria, nesta semana, quatro encontros segunda, terça e quarta-feira entre seis membros da Executiva do SINTE/SC (que escolheu: Joaninha, Janete, Alvete, Aldoir, Sandro e Carlos), e a CONER (Comissão de Negociação e Relações Sindicais), e na sexta-feira com toda a Executiva do SINTE/SC e o Deschamps onde seria apresentado uma proposta.

O SINTE/SC defendeu em todas as reuniões o pagamento dos 22,22% já na carreira com a descompactação da tabela salarial. O Governo veio com um discurso de construir uma proposta em conjunto com o SINTE/SC.

Nas reuniões o Governo alegou não ter mais dinheiro para 2012 para pagar os 22%, cogitou incorporar a regência de classe (repudiado pelo SINTE), com 25% para todos e deixar as séries iniciais com 12% de regência.

O Governo fala em apresentar uma proposta que beneficie os níveis de graduação e pós-graduação (onde se encontra a maioria da categoria), porque esta muito ruim para o Governo habilitado e não habilitado receberem o mesmo salário.

O SINTE apresentou a tabela salarial aprovada na assembleia estadual de Lages em 26/10/2011, com os valores atualizados pelo reajuste de 22,22%. O Governo descartou os valores, mas ficou de estudar a estrutura (seis níveis e dez referencias), para fazer uma nova proposta na segunda-feira dia 16 de abril as 15 horas na SED.

A nossa primeira assembleia estadual com cinco mil trabalhadores em educação recusando por unanimidade a proposta do Governo, o fez receber o SINTE. Só outra grande assembleia estadual no dia 17 de abril o fará apresentar uma proposta decente para a categoria, paralisação total das escolas, todos à Floripa!

O tamanho da proposta que o Governo fará (ou não), segunda-feira será do tamanho da nossa paralisação na terça-feira. Como assim? Todos sabemos que os diretores informam para a GERED se a escola vai paralisar e as GERED’s informam o Governo.


AÇÃO DE PROGRESSÃO HORIZOLTAL COM FALTA

O SINTE/SC está entrando com ações na justiça na segunda-feira dia 16 de abril, para os trabalhadores que foram impedidos de fazer a PROGRESSÃO HORIZOLTAL por ter alguma FALTA que não era de greve e/ou mobilização da categoria. Os documentos necessários são:

-Cópia do processo de progressão com a resposta do Governo;
-Transcrição funcional completa;
-Ficha financeira de 2011 e 2012;
-Procuração;
-Assistência judiciária.


APOSENTADORIA:

O Governo do Estado tem o prazo de 180 dias para regularizar a aposentadoria por invalidez como integral e paritária (ver anexo).


Assembleia Estadual

A organização dos ônibus será feita da mesma maneira que na assembleia do dia 15 de março.

SINTE/SC veiculará inserção na TV chamando para Assembléia Estadual

Na noite de domingo, dia 15/04/2012, será veiculado, durante o intervalo do programa Fantástico da Rede Globo, uma inserção do SINTE/SC convocando para a Assembleia Estadual do dia 17/04/2012.

Informe sobre audiência do dia 13 de abril com Secretário de Educação

Encerrou na tarde desta sexta-feira, 13 de abril, a mesa de negociações entre SINTE SC e Governo do Estado. Estiveram reunidos todos os membros da executiva do sindicato, equipe do Governo e o Secretário Eduardo Deschamps, na sede da secretaria.

De acordo com o SINTE, o Governo ainda não apresentou nenhuma proposta ou números concreto, para o reajuste da categoria, que exige os 22,22% no plano de carreira, embora reconheça que precisa descompactar a tabela e está utilizando a estrutura da tabela criada pela categoria.

O Secretário afirmou que vai discutir as reivindicações da classe com as demais pastas do Governo, em especial a Secretaria da Fazenda e prometeu trazer a proposta final ao SINTE na segunda-feira, dia 16, às 15 horas.

Até lá, a categoria continua mobilizada para a greve a partir do dia 17 de abril, data da assembleia geral.

fonte:email Sinte Estadual

sexta-feira, 13 de abril de 2012

13 de Abril - 9 meses da aprovação do PLC n° 026/2011

Os Deputados Estaduais que aprovaram o PLC n° 026/2011 - Destruíram o Plano de Carreira do Magistério Público Catarinense.


Todos contam com o esquecimento dos professores sobre o fato ocorrido no dia 13 de Julho.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

SINTE LAGUNA DENUNCIA NOVAMENTE IRREGULARIDADES NA 19ª SDR/LAGUNA‏

Leiam com atenção materia publicada no Blog Critica Laguna:

LAGUNA: DONOS DO CABIDAÇO DE EMPREGOS EM LAGUNA SÃO CHAMADOS PARA DAREM EXPLICAÇÕES.


Boa Noite Lagunenses e Lagunistas


Recebi a informação que o Secretario Regional CHRISTIANO LOPES DE OLIVEIRA-PSD e o Gerente de Educação SANDRO MATIAS DA CUNHA- PSDB, foram "INTIMADOS" a irem a Florianópolis as pressas para darem explicações ao Secretário de Educação, Eduardo Deschamps, e para o Jurídico da Secretária de Educação na pessoa da Dr@ Delma, sobre o CABIDE DE EMPREGOS ESCANCARADO que virou a SDR de Laguna ( ja era um cabide imenso, mais agora está escancarado). Informações dão conta que cabeças estão a prêmio.
A denúncia feita pelo SINTE de Laguna ao Secretário de Educação foi estruturada em 05(cinco) laudas e enviadas a Secretaria de Educação informando que várias pessoas são "convidadas de boca" pelo Secretário Regional e pelo Gerente de Educação e, segundo informações o Gerente de Educação confidenciou que mesmo com seu processo negado e sem portarias as pessoas vão ficando. Pergunto, como é que estão recebendo salários? Ai tem rolo.

Segundo o SINTE, a quantidade de pessoas na SDR é tanta que que ja esta ocorrendo um desfalque de pessoal nas escolas por conta disso. Quem perde? O povo.

Esperamos que esta DENÚNCIA feita pelo SINTE Laguna a Secretaria de Educação sobre a SRD de Laguna seja apurada pelas autoridades competentes e que os culpados sejam punidos.

ESTAREMOS DE OLHO.

FORTE ABRAÇO

quarta-feira, 11 de abril de 2012

NOVA TABELA CRIADA PELA CATEGORIA SERÁ REFERÊNCIA PARA GOVERNO

Release 007 – 11/04/12

Cumprindo uma proposição do SINTE, apresentada ao Governo já no grupo de estudos em 2011, a estrutura da tabela salarial construída pela categoria na assembleia Estadual de Lages, poderá ser usada pelo Governo, para realizar estudos e projeções financeiras que podem culminar em uma proposta para os profissionais da educação de Santa Catarina. A informação foi dada na tarde de hoje, em mais uma mesa de negociações entre SINTE e Governo do Estado, na sede da Secretaria de Educação.

A nova tabela possui 10 referências e 6 níveis, ou seja, os níveis diminuíram e aumentaram as referências. Desta forma os educadores passam a progredir até o final de sua carreira. No modelo antigo, professores com especialização, mestrado ou doutorado tinham crescimento até certo ponto, sem progressão financeira após cerca de 20 anos de trabalho.

Segundo a diretoria do SINTE, apesar do Governo decidir utilizar a nova tabela do plano de carreira como base, eles ainda não apresentaram nenhuma proposta concreta, nem valores que atendam as reivindicações da categoria, que exigem a descompactação da tabela e o reajuste de 22,22% para todos os profissionais da educação.

A agenda de reuniões encerra nesta sexta-feira, com a presença de toda diretoria do SINTE e o Secretário Eduardo Deschamps. O Governo declarou que até segunda-feira, dia 16, deverá apresentar sua nova proposta a categoria. De qualquer forma a classe continua mobilizada para a greve, a partir do dia 17 de abril, quando acontece a assembleia estadual.

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC

segunda-feira, 9 de abril de 2012

ENCONTRO ENTRE SINTE/SC E GOVERNO DE ESTADO

Continuam as negociações entre SINTE e Governo do Estado.

Greve geral ainda não está descartada

Nada ficou definido entre SINTE SC e Governo do Estado na reunião da tarde de hoje. Porém, as discussões a respeito das reivindicações da categoria avançaram de forma positiva. De viagem marcada pra Brasília, o Secretário de Educação Eduardo Deschamps se fez presente somente no início do encontro, ele disse que vai participar de uma audiência pública na Capital Federal para tratar exatamente da Lei 3776, sobre o reajuste do Piso Nacional.

Decio Augusto de Vargas, Coordenador Executivo de Negociações e Relações Funcionais foi o interlocutor entre sindicalistas e Governo no encontro, ele apresentou algumas tabelas e número referentes a categoria e disse também não concordar com o achatamento do plano de carreira, ou seja, profissionais da base (níveis 1 ao 6) tem o piso garantido, enquanto os demais, do nível 7 para cima, que inclusive são a maioria, totalizando 18681 pessoas na folha, não tiveram reajuste salarial. Atualmente o quadro de profissionais na folha de pagamento está da seguinte forma: 22462 ativos/efetivos, 22543 inativos e 20726 ACTs, no total são 65731 trabalhadores na educação de Santa Catarina.

Para o SINTE esta também é a principal preocupação, já que a carreira compreende títulos e tempo de serviço. Como pode então, por exemplo, um professor que trabalha há 1 ano, ganhar o mesmo que outro há 30 anos no serviço público.

No decorrer da mesa de negociações, Decio afirmou que o percentual de reajuste para a categoria de 22,22% está garantido pelo Governo, porém não pode afirmar a data que será pago, o que não agradou os diretores do SINTE. Ele propôs ao sindicato uma série de reuniões para estudar as possíveis maneiras de atender as reivindicações da classe, estas que acontecerão durante toda a semana, culminando na sexta-feira, dia 13, na presença do Secretário. "Precisamos pensar em uma reestruturação da distribuição de coeficientes na tabela salarial", disse Decio.

O Sindicato afirmou que está disposto a negociar, mas que o Governo tem que apresentar uma nova tabela salarial com suas propostas e prazos para o pagamento do reajuste, visto que, a entidade precisa mostrar números concretos para a categoria, para que a melhor decisão seja tomada na assembleia do dia 17 de abril.

Assessoria de Imprensa SINTE SC

terça-feira, 3 de abril de 2012

AUDIÊNCIA: SINTE/SC E GOVERNO ESTADUAL


Secretário de Educação não negocia e pede nova audiência
Governo não apresenta nenhuma proposta para o SINTE

Em uma reunião tensa, com os nervos a flor da pele, Governo do Estado e Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina não entraram em acordo. Logo no início da audiência o Secretário de Educação Eduardo Deschamps declarou que esperava uma nova proposta do SINTE, o que chocou os diretores da entidade presentes no encontro.

Alvete Bedin, Coordenadora Geral do SINTE declarou ao Secretário: "Esta é uma reunião de faz de conta, depois de duas semanas de espera pela negociação, a proposta já rejeitada por unanimidade na assembléia estadual ainda é a mesma? A categoria não está em sala de aula esperando o nada, eles querem uma proposta, se isso não acontecer é greve no dia 17 de abril". O Governo continua com a proposta de parcelamento do reajuste de 22,22%, 8% já concedidos este ano, e o restante para pagamento sem data marcada em 2013 e 2014.

No decorrer dos debates Joaninha de Oliveira, Secretária de Políticas Sociais e de Gênero do sindicato, disse que quando Eduardo foi Secretário Adjunto da Educação ouviu dele que o Governo ia cumprir o reajuste do piso na tabela salarial, não achatando o plano de carreira dos professores. Não há justiça nessa fórmula de reajuste, não existe nenhuma lógica pedagógica para o magistério Estado.
Para todos os membros do sindicato a proposta do Governo fere a categoria. "Somos professores, nos graduamos, nos especializamos, porém os profissionais dos níveis 1 ao 7 recebem o mesmo salário, seria mais educado o Estado negociar respeitando a tabela, levando em conta o tempo de serviço e a capacitação contínua de vários educadores".

Diante dos fatos o secretário propôs uma nova audiência, marcada para o próximo dia 09 de abril, quando quer "abrir" os números do Governo para o Sindicato e mostrar porque não podem aceitar a proposta da classe dos professores. "O Governo propôs uma mesa de negociações, o sindicato quer dialogar, mas queremos propostas por parte do Estado, que seja cumprido o acordo de greve feito no ano passado", declara Alvete.

Outra questão apontada pelo SINTE foi à repressão aos professores que fazem parte ou que querem aderir ao movimento de greve. Eles são coagidos e ameaçados, recebem faltas se participam de atos do sindicato, além da proibição da entrada da entidade sindical nas escolas.

ASSESSORIA IMPRENSA SINTE – SC